DE OLHO NOS SONEGADORES


10.02.2006

Supercomputador da Receita terá sistema que amplia capacidade de
cruzar dados.

O Estado de S. Paulo, 10/02/2006

Por Adriana Fernandes
BRASÍLIA

Apelidado pelo ministro da Fazenda, Antonio Palocci, de "Big
Brother", o supercomputador que a Receita Federal vem usando na
fiscalização do pagamento de tributos em breve vai ganhar maior
capacidade de enxergar os sonegadores. Em junho, começará a
funcionar o software "Harpia", um sistema de inteligência artificial
desenvolvido em parceria com a Universidade Estadual de Campinas
(Unicamp) e com o Instituto Tecnológico da Aeronáutica (ITA).

Capaz de cruzar uma quantidade elevada de dados e fazer correlação
entre eles, o programa auxiliará os fiscais da Receita a serem mais
precisos na escolha dos alvos (empresas e pessoas físicas) que serão
investigados.

O nome Harpia é uma referência à maior ave de rapina do mundo,
também conhecida como gavião-real, cuja característica principal é a
profundidade da visão. O poder de resolução ocular da harpia chega a
ser oito vezes maior que o do homem.

Segundo o secretário-adjunto da Receita Federal, Paulo Ricardo
Cardoso, o primeiro módulo do "Harpia" a entrar em completo
funcionamento, no meio deste ano, será voltado para a área de
comércio exterior (importadores e exportadores). Depois, será a vez
da malha fina do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF) receber um
módulo de inteligência artificial. A idéia é que todas as áreas de
fiscalização tenham um módulo específico de inteligência artificial.

Cardoso destaca que, além de identificar os sonegadores, o sistema
vai facilitar e desburocratizar a vida dos contribuintes regulares.
Será o caso, por exemplo, das fiscalizações nas aduanas.

"Os contribuintes regulares não precisam temer. Eles não serão
importunados", disse Cardoso. O sistema, disse, permite que a
escolha do que deve ser fiscalizado seja feita com base em critérios
técnicos, com melhor análise de risco e, por outro lado, menor
interferência da subjetividade do fiscal.

Enquanto o "Harpia" não entra em funcionamento, o supercomputador da
Receita já trabalha em cruzamentos de informações das diversas bases
de dados disponíveis: cartões de crédito, Imposto de Renda, CPMF,
movimentação das contas CC-5 e operações imobiliárias.

O supercomputador da Receita foi comprado no ano passado e
instalado, em setembro, no Serpro - empresa de processamento de
dados do governo federal -, em São Paulo. São vários equipamentos
ligados a uma grande máquina que pesa quase um tonelada. Foi
batizado de T-Rex (tiranossauro rex), um dos mais ferozes e
carnívoros dinossauros. Mas vem ganhando fama mesmo com o apelido
de "Big Brother".

Conforme relato da colunista do Estado Sonia Racy, o ministro
Palocci chegou a fazer comentários sobre a supermáquina da Receita
durante jantar com um seleto grupo de empresários, no início desta
semana em São Paulo. Em tom de brincadeira, ele declarou: "Até eu
estou com medo".





Fonte : ETICO.COM.BR