Polícia Federal apreende equipamentos e dados de “empresa” de seguro pirata


25.07.2011

A Aprove (Associação dos Proprietários de Veículos do Estado da Bahia) foi desativada a partir de iniciativa da Polícia Federal, que esteve na sede da entidade, em Salvador, para dar cumprimento a mandado de busca para todos os contratos e bancos de dados em meio digital (HD’s, pendrives e mídias como CD’s e DVD’s).

De acordo com o Serviço de Comunicação Social da Polícia Federal na Bahia, a chamada “Operação Desaprove” se mantém sob sigilo para segurança e bom andamento das investigações.

“Restou evidenciada a prática da conduta delitiva prevista no art.16 c/c art. 1º, I, da Lei 7.492/86, com pena prevista de um a quatro anos de reclusão”, enfatiza o comunicado da Polícia Federal.

As autoridades confirmam que, sob a forma de associação, a ‘empresa’ de seguro pirata explorava atividades típicas de seguradora de veículos sinistrados e furtados, mas sem autorização da Susep. Para piorar a situação, “estima-se que mais de 10 mil pessoas firmaram contrato com a Aprove”.

A Polícia Federal alerta que o seguro pirata “expõe a riscos” os adquirentes do “produto” e afeta a confiança no sistema financeiro. “Recomenda-se que ao contratar o seguro, o interessado se certifique se a empresa está autorizada pela Susep”.

O CQCS informa a todos que está em contato direto com a Polícia Federal, de forma a acompanhar o caso e noticiar em primeira mão os desdobramentos da Operação Desaprove e de outras similares que podem ser deflagradas, a qualquer instante, pelas autoridades.



Data: 25.07.2011 - Fonte: CQCS | Pedro Duarte