Consumidor crê mais na palavra do corretor


10.08.2009

Não mais que 44% dos brasileiros confiam nas seguradoras, o que demonstra que os clientes ainda têm um certo receio e sentem falta de transparência na indústria de seguros. A conclusão é da pesquisa ``O consumidor do futuro´´, da IBM, divulgada no seminário internacional da Federação Nacional de Previdência Privada e Vida (Fenaprevi), realizado na semana passada em São Paulo. O responsável pela área de Seguros da IBM, Roberto Ciccone, sustenta que esse dado é relevante para que as seguradoras desenvolvam ações capazes de conquistar o consumidor, como ter contratos mais claros e que não deixem dúvidas quanto ao que está sendo garantido.
De acordo com o executivo, diante do clima de desconfiança do cliente em relação à idoneidade da seguradora, o corretor de seguro ganha um destaque especial como ponto de contato e referência do consumidor em relação ao produto e à seguradora. O brasileiro confia mais no corretor do que na seguradora. Cerca de 40% dos entrevistados demonstraram insatisfação em relação às companhias, principalmente no tratamento dado no momento do sinistro. No geral, o brasileiro é avesso ao risco, disse o executivo.

PROBIDADE. Ele contou ainda que 76% dos brasileiros entrevistados vêem a honestidade e a confiança como características essenciais para a contratação de um serviço de seguro, sendo mais importantes que o preço e a inovação de produtos.

Além disso, outro resultado da pesquisa mostra que é preciso ampliar a segmentação dos clientes para critérios além dos sócio-econômicos. Roberto Ciccone comentou que isso é necessário porque o brasileiro busca conveniência, preferindo produtos customizados, mesmo que tenha de pagar mais por eles.

Outras atitudes mais evidentes nos brasileiros em relação a seguros são a boa aceitação para coberturas abrangentes (88%) e a visão positiva em centralizar os seguros em uma única companhia (85%). No Brasil, a pesquisa entrevistou 422 consumidores, para saber como eles agem, avaliam e se comportam em relação a esse tipo de serviço.




Fonte: Jornal do Commercio RJ | Seguros | RJ
Data: 10.08.2009